Topo
Blog do Carlos Melo

Blog do Carlos Melo

Categorias

Histórico

O sucesso dependerá do alinhamento de visões e objetivos

Carlos Melo

2004-01-20T19:11:02

04/01/2019 11h02

Acróbata y joven arlequín, 1905. Picasso — Fase Rosa.


Alternâncias de poder se configuram como oportunidades de manter o que bem funcionava e corrigir o que ia mal nos governos anteriores. Evitando retrocessos e não havendo compromisso com erros, abre-se espaço para o novo; podem trazer a esperança de avanços. É por isso que despertam otimismo e manifestações de apoio – sobretudo após períodos de conflitos intensos, disputas emocionais e crises continuadas na economia e na política. Em tese, são positivas. 

Assim, a expectativa favorável em relação a Jair Bolsonaro, constatada pelas pesquisas, é natural. Acresce a isto a perspectiva de um extraordinário período de baixa inflação e juros contidos em patamares inferiores, além de um cenário externo favorável, ainda que incerto no médio prazo.

Com sinais corretos e ações adequadas, dizem os economistas, o País pode encontrar um ciclo bastante promissor, fortalecendo o grupo do próximo presidente. 

Aparentemente, Bolsonaro estaria com a bola nos pés e o apito na mão para conduzir a partida de acordo com seu interesse. Mas é na política que as coisas se complicam: há questões fundamentais que precisam ser consideradas à parte de qualquer euforia apressada e pouco crítica nessa área.  

A primeira delas se volta à consciência do futuro presidente e seu grupo mais próximo quanto à gravidade do momento; se estarão dispostos a fazer o necessário à revelia de interesses de corporações aliadas e de firulas ideológicas do bolsonarismo. 

A segunda questão consiste em saber se conquistará os instrumentos institucionais adequados para dar vazão a esse processo. Por fim – e talvez o mais importante –, indaga-se se haverá material humano sagaz e preparado, com capacidade de aproveitar o bom momento e montar o cavalo encilhado que a história lhe oferece.  

Ao longo desse período que se estende da vitória eleitoral até a posse do futuro governo, as indicações dadas pelo próprio presidente e por seu time de colaboradores políticos mais próximos contradizem o otimismo. Os sinais são, no mínimo, discrepantes, e indicam diferenças de olhar e estratégias, causando improdutiva dispersão de energia entre as áreas econômica e política.  

Há muitos e desnecessários ruídos ideológicos, pouca capacidade de aglutinação de forças políticas e escassez de operadores pragmáticos, experientes e realizadores. De modo que esses contornos políticos mais ou menos forjados pelo desalinhamento interno possam vir a inibir as condições mais favoráveis acenadas pelo momento e pelo espírito natural da alternância.

Mesmo antes de começar, o governo Bolsonaro tem se configurado muito mais como uma máquina de conflitos do que numa dinâmica positiva de cooptação de apoios, acúmulos de força e formação de consensos. Em que pese o discurso de diplomação do presidente, grande parte da lógica de formação de seu ministério apontou para o gueto, pregou para convertidos e não constituiu pontes de diálogos com grande parte da sociedade. 

Se na Economia, Justiça e Segurança, assim como na área da Defesa, Bolsonaro delegou a "Postos Ipiranga" a responsabilidade de compor equipes e elaborar planos de ação que tragam a ele e ao País os resultados esperados – o que de algum modo tem sido encaminhado de forma pelo menos coerente –, no campo mais amplo da diplomacia, da cidadania e da política o presidente confinou-se a uma visão de mundo estreita. Como se uma banda do governo nada tivesse com outra e, pior, como se não pudessem comprometer o desempenho do todo, tornando o governo menor que seu desafio. 

Isto se deu, por exemplo, nos ministérios de Relações Internacionais, no Meio Ambiente, Direitos Humanos e Educação – sobretudo –, assim como na estratégia de comunicação (Secom) e na relação com o Congresso Nacional – Casa Civil e Secretaria de Governo. 

No espírito dessas indicações, Bolsonaro de algum modo foi à guerra, sobrando estilhaços de princípios e bombas ideológicas para a reputação do governo tanto interna como externamente. 

Também gerou dúvidas quanto à eficiência e à boa condução das relações entre Executivo e Legislativo, do que dependerá a sorte da economia. Não compreender o valor estratégico das presidências das mesas da Câmara e do Senado, assim como dar pouca importância aos partidos, nas indicações para comissões e relatorias, é erro crasso.  

No mais, ignorar o valor da opinião pública: se a grande massa dos habitantes de qualquer país não lê editoriais dos jornais, mesmo os mais importantes, a verdade é que formadores de opinião e principalmente investidores – do que o Brasil tanto necessita – leem e se influenciam por eles. E, nesse sentido, ficam os sinais de pouco profissionalismo e muito ativismo, que geram apreensão quanto à serena condução do futuro e a perfeita sintonia entre as partes.  

O governo dependerá como nenhum outro do sucesso dos primeiros meses. Precisará da força do arranque para forjar realizações iniciais que elevem a confiança e potencializem o otimismo da largada. Para isto, não poderá vacilar na definição de objetivos e no encaminhamento de reformas estratégicas, como a Previdência, por exemplo. Isto se dará se houver alinhamento entre suas mais diversas áreas.  

Em qualquer governo, esse alinhamento dá-se somente quando o pragmatismo de um líder se coloca ao centro da cena, afastando a ideologia para a periferia do teatro político. Pela história recente, o País sabe que a ideologia é causadora da perda de tempo, recursos e objetivos. A origem do desperdício de oportunidades que, uma vez perdidas, não serão facilmente recuperadas.

CIENTISTA POLÍTICO E PROFESSOR DO INSPER

Original publicado em O Estado de S. Paulo, de 30.12.2018 (Impresso)

Sobre o Autor

Carlos Melo é paulistano, filho de açorianos e nasceu em 1965. Cientista político, com graduação, mestrado e doutorado na PUC-SP. Professor de tempo integral do Insper desde 1999; colecionou experiências, conquistou prêmios de ensino. Analista político, com colaboração em vários meios de comunicação; palestrante e consultor. Autor de "Collor, o ator e suas circunstâncias".

Sobre o Blog

Juízos de valor não importam, o leitor que construa os seus. O que se busca é a compreensão, sem certezas, nem verdades; antes, a reflexão. É o canto de um homem sem medo de exalar dúvidas. "Nem o riso, nem a lágrima; apenas o entendimento", diz Spinoza; "eu quase de nada sei, mas desconfio de muita coisa", arremata Guimarães Rosa.