Topo
Blog do Carlos Melo

Blog do Carlos Melo

Categorias

Histórico

O Museu, o desastre, a ignorância e o oportunismo: elementos da barbárie

Carlos Melo

2003-09-20T18:17:49

03/09/2018 17h49

Imagem: BBC

O sentimento de que o Brasil desce desgovernado a ladeira da barbárie só aumenta. A vertiginosa sucessão de acontecimentos dos últimos anos desperta a impressão de que perdeu-se o sentido de civilização. Quem é o responsável pelo incêndio no Museu Nacional que deixou em cinzas um incomensurável patrimônio da humanidade? Claro que, agora, todo mundo tira o seu da reta, ao mesmo tempo em que se aproveita para "chutar cachorro morto", como é o caso do governo Temer.

Entre enfastiado e contrariado, li Dilma Rousseff, pelo twitter, atribuir culpas a Michel Temer e seus aliados – que, a propósito, antes, foram dela. Mesmo o ressentimento e a lógica da disputa precisam ter limites. Não se faz comício na porta de um velório.

É evidente que o atual governo é uma lástima e que os cortes foram, são e serão prejudiciais; que este estado de coisas é mesmo deplorável. Mas, em primeiro lugar, o país não chegou a essa situação do nada. Em segundo, o Museu não construiu seu caos apenas nos últimos dois anos, como se estivesse perfeito antes. Foi um esforço sistemático e contínuo de várias gerações.

O oportunismo é também um dos traços do desastre civilizatório. Compromete ainda mais as biografias. O momento seria de calar.

O caso, infelizmente, não é responsabilidade de um só. A tragédia nos remete ao desleixo de longo prazo; à pouca importância dada à memória, à ciência, à cultura e blá-blá-blá… Todo mundo sabe e repetir é até um tanto constrangedor. Desculpem. No fundo, agimos como se não saber quem somos e de onde viemos não tivesse qualquer importância para o futuro. O Brasil vive um eterno presente de desastres.

Não é o incêndio o maior sinal da barbárie, é a ignorância atávica, continuada e persistente que o alimentou e, pior, deve continuar a dar oxigênio a novas labaredas.

O processo leva as digitais dos governos Temer, Dilma, Lula, FHC… Talvez, de Deodoro da Fonseca. Quando, na verdade, o país se preocupou com isso? Defensores e indignados de última hora não servem de nada; constituem uma vergonha tão grande quanto o mal crônico de um desastre anunciado. É o caso de se perguntar se o Brasil merece mesmo todo o imenso patrimônio natural e cultural que possui. Já esquecemos do desastre ambiental da Samarco?

O resto só pode ser o silêncio triste e profundo. Uma perda irreparável não pede bravatas, não pede desforras. Pede luto. E consciência de que é preciso mudar. Superar a barbárie. Fugir do abismo. Mesmo sem saber como nem para onde.

Carlos Melo, cientista político. Professor do Insper.

Sobre o Autor

Carlos Melo é paulistano, filho de açorianos e nasceu em 1965. Cientista político, com graduação, mestrado e doutorado na PUC-SP. Professor de tempo integral do Insper desde 1999; colecionou experiências, conquistou prêmios de ensino. Analista político, com colaboração em vários meios de comunicação; palestrante e consultor. Autor de "Collor, o ator e suas circunstâncias".

Sobre o Blog

Juízos de valor não importam, o leitor que construa os seus. O que se busca é a compreensão, sem certezas, nem verdades; antes, a reflexão. É o canto de um homem sem medo de exalar dúvidas. "Nem o riso, nem a lágrima; apenas o entendimento", diz Spinoza; "eu quase de nada sei, mas desconfio de muita coisa", arremata Guimarães Rosa.