Topo
Blog do Carlos Melo

Blog do Carlos Melo

Categorias

Histórico

Ano Novo no Jardim das Incertezas

Carlos Melo

2002-01-20T18:08:53

02/01/2018 08h53

Imagem: Fernando Maia/Riotur

Esse período de festas — que no Brasil se estende da véspera do Natal à ressaca pós-carnaval — tem sido enganador: à primeira vista, sugere que o conflito se amenizou; que os governos se preparam para superar mazelas; mas quase nunca isso se confirma. Ano Novo e velhos problemas: o país continua a saga para encher os pulmões com a recuperação da economia ao mesmo tempo em que é puxado para o fundo do mar pela crise da política.

Na passagem de 2015 para 2016, com Dilma Rousseff na presidência, foi assim: a crise dera um tempo, a presidente freara seu instinto autodestrutivo, o Congresso interrompera o blitzkrieg de pautas-bombas na economia e na credibilidade; entre o final de 2016 e maio de 2017, após importantes vitórias no Parlamento, Michel Temer tocava tambor para avisar de que conseguira a proeza de tomar o sistema. Mas, quando chegou a quarta-feira de cinzas, em 2016, Eduardo Cunha retomou o processo contra Dilma; e, em maio de 2017, o Joesley Day demarcou nova fase na política nacional.

Muita gente que acreditou no fim da crise, na recuperação econômica como elemento de superação do conflito político, se decepcionou. Nas duas ocasiões, a sensação foi assemelhada ao intervalo de Brasil x Alemanha, na Copa de 2014. A derrota era iminente, mas o alívio com a interrupção do vexame — a seleção parara de tomar gols, afinal era intervalo — um Galvão Bueno dentro de cada um sugeria a ilusão de que "ainda dá". Mas, com Júlio César, Davi Luís, Oscar e Fred, não deu. Com Dilma e Temer também não.

Com efeito, a ilusão é a primeira flor que nasce, no jardim das incertezas; a esperança, a última orquídea que morre. Mas, é o ceticismo, entre arbustos num canteiro distante, o que mais resiste mais que todos e fica para contar a história do bosque.

Ano Novo e o momento é de a imprensa buscar magos e previsões que criam esses sentimentos, mas são rapidamente esquecidos ao longo dos meses. É preciso reconhecer a precariedade do todo: há muita incerteza no país e no mundo; processos avassaladores de comunicação que criam ambientes desconhecidos, ondas de informação que produzem fatos novos, impactam projetos e impedem efeitos anteriormente esperados.

Além da continuidade dos conflitos, é difícil afirmar no que o processo pode dar.  Mesmo assim, é justo acreditar que nos próximos meses o país seguirá dividido entre os que potencializam os efeitos da recuperação econômica — supostamente capazes de superar os impasses políticos — e os que desprezam esses efeitos, ou antes, colocam o impasse político como um impeditivo para um processo duradouro de recuperação.

Haverão dados e estatísticas para relativizar todas e quaisquer posições. Isto tudo é próprio do ambiente de "copo meio cheio e meio vazio". Qualquer positividade parece bem-vinda, mas nem sempre suficiente. O fato é que processos assim carecem de choques políticos mais profundos, com lideranças capazes de criar o novo, reunir apoios e atrair os polos, reduzindo o conflito.

É ano eleitoral e seria de esperar que algo assim estivesse no radar dos analistas. Mas, há poucas esperanças de que a eleição, com o cardápio de candidaturas que se tem, venha a consertar o processo destes anos tortos. A crise de credibilidade de partidos e atores políticos expande o ceticismo e a nada parece mais fora de questão do que a crença de que o Brasil é destinado ao sucesso, pronto a se redimir. Intimamente, desconfia-se que o gigante morreu na danação do sono.

Até aqui, o processo eleitoral não desperta suspeita de novidades — embora sejam vastos os espaços para o surgimento de outsiders. Acreditar na amenização do conflito, como comedimento de agentes, que já estão na pista, é um desconhecer que, em política, as circunstâncias quase sempre têm maior importância que os atores.

Crer na superação das diferenças de um centro moderado parece mesmo confiar na da seleção do Felipão, após cinco gols — no primeiro tempo.

O ano é novo, mas não é de hoje, que todo mundo sabe que "o que há algum tempo era jovem, novo hoje é antigo"; que as estruturas do sistema político já não dão conta da realidade e que a democracia precisa "rejuvenescer". Mas também se sabe que ninguém sequer desconfia o que e como renovar esse processo.

No jardim da incerteza, as folhas das ilusões e das esperanças são destruídas por toxinas de previsões cujos destinos que nunca se cruzam. E a maior "dor é perceber que apesar de termos feito tudo o que fizemos, ainda somos os mesmos e vivemos" como Belchior.

Carlos Melo, cientista político. Professor do Insper.

Sobre o Autor

Carlos Melo é paulistano, filho de açorianos e nasceu em 1965. Cientista político, com graduação, mestrado e doutorado na PUC-SP. Professor de tempo integral do Insper desde 1999; colecionou experiências, conquistou prêmios de ensino. Analista político, com colaboração em vários meios de comunicação; palestrante e consultor. Autor de "Collor, o ator e suas circunstâncias".

Sobre o Blog

Juízos de valor não importam, o leitor que construa os seus. O que se busca é a compreensão, sem certezas, nem verdades; antes, a reflexão. É o canto de um homem sem medo de exalar dúvidas. "Nem o riso, nem a lágrima; apenas o entendimento", diz Spinoza; "eu quase de nada sei, mas desconfio de muita coisa", arremata Guimarães Rosa.