Blog do Carlos Melo

Silêncio no Estácio

Carlos Melo

 

''Se alguém quer matar-me de amor, que me mate no Estácio…''

Na minha opinião, um dos mais belos versos da música brasileira.

O Brasil tem se empobrecido muito: seja por aquilo que perde, como por aquilo que ''ganha''(será que é ganho?); por aqueles que se vão e por aquilo que surge. ''Nossa, nossa, assim você me mata…'' ai, ai, ai…

Ao lado de Paulinho da Viola, Luiz Melodia foi, para mim, um herdeiro de Cartola. A mesma elegância e a mesma sensibilidade que brotam dos morros, na confluência do Rio de Janeiro pobre e rico, preto e branco.

O diabo é que não conseguimos mais fazer esse tipo de ''reposição'', que antes, à parte de toda dor, parecia natural. O espelho que era belo, mas era vidro e se quebrou.

Hoje, a perda se combina com a queda de qualidade; caminhamos para o vazio.

Quem ou o quê tem roubado a nossa alma?

A humanidade não gera Melodias, assim, a torto e a direito. O Brasil já foi capaz de produzir jóias desse naipe, mas hoje… Por isso, a perda dói muito mais.

… E o Estácio NÃO mais acalma o sentido dos erros que faço… Fico manso, mas NÃO mais amanso a dor. Não há dias de paz.

Vai, Melodia