PUBLICIDADE
Topo

Histórico

Categorias

Blog do Carlos Melo

Pesquisa DataFolha: ao vivo é muito pior

Carlos Melo

01/05/2017 10h52

Cenários DataFolha. Arte: Folha de S. Paulo.

Diz-se que pesquisa é fotografia e eleição é filme; que pesquisa revela o momento, não prediz o futuro. Ao anunciar resultados de pesquisas, os meios de comunicação se acautelam dizendo: "se a eleição fosse hoje, o resultado seria…" Mas, a eleição não é hoje, nem será amanhã – será daqui um ano e meio. O filme pode se desenvolver num roteiro inesperado; muita coisa pode mudar — ou não. Pesquisas demonstram o momento, e é esta a questão.

A mais recente pesquisa DataFolha revela um presente polarizado: de um lado, Lula, consolidando sua posição de líder das pesquisas — já não sendo mais líder da grande maioria da sociedade. De outro, o vazio ao centro e à direita moderada viabilizando Jair Bolsonaro — já em segundo lugar, ultrapassando Marina Silva. Nos cenários em que consta seu nome, Lula oscila em torno de 30%; Bolsonaro, em torno de 15%. Marina só é favorecida quando se retira a candidatura do ex-presidente.

A rejeição a Lula só é menor que a do presidente Michel Temer, ainda assim, o ex-presidente só perderia um hipotético segundo turno para Marina Silva e para a improvável — pelo menos na próxima eleição — candidatura do juiz Sérgio Moro. O patamar de Lula, no segundo turno, é, no entanto, de apenas 43% (no pico). Nulos, brancos e abstenções cumprem um papel nesse processo: não há cenário em que qualquer candidato supere a marca dos 50% + 1 dos votos totais.

Uma enorme parcela da população sente-se, é claro, desconfortável com esses cenários. O Lula que tem emergido dos conflitos atuais nada tem de "Lulinha paz e amor" — como já escrevi por aqui, está mais para "Deus e o diabo na terra do Sol" (clique para ler) —, a radicalização do processo tenderá a impedir que o ex-presidente, sendo eleito, recue significativamente de suas posições atuais: Lula não é mais o mesmo de 2002, o PT não é o mesmo, o país também não é.

Por sua vez, o vazio ao centro não implica apenas no enfraquecimento dos nomes mais tradicionais do PSDB — Aécio, Serra e Alckmin — mas, sobretudo, na fragilização de projetos que enxergam a política por vias institucionais, com muito menor impacto do fator personalidade, sendo também menor — ou nulo — o voluntarismo da ação política.

Fortes e viáveis, candidaturas de centro chamam adversários — à direita ou à esquerda — à moderação, como que lhes atraindo para junto de si, para o meio. Ao mesmo tempo, sua inexistência faz com que, a partir do centro, os polos se repilam; que se extremem num processo sem diálogo, sem conciliação. Expressando apenas contradições, rogando pela força.

Visto com olhos de hoje, o vazio ao centro viabiliza a polaridade, o radicalismo: dá corpo tanto ao atual voluntarismo de Lula — tradicional, no PT — quanto a Bolsonaro ou a seu princípio ativo, o autoritarismo. Ambos, antipolíticos e anti institucionais.

A pesquisa é, no entanto, fiel ao clima dos dias em que se vive. Os dias são assim:  radicalização e intolerância já sufocantes. Ampliando-se, os polos buscam atropelar e esmagar qualquer postura vinculada ao centro — não exatamente ao PSDB —, incapazes de admitir sinais e ou apelos à moderação. Nada parece mais fácil, nesta quadra histórica, do que descartar qualquer opinião divergente, jogando-a no campo do adversário que se escolheu — à direita ou à esquerda.

Não há espaço para meios-termos, para nuances, para processos de racionalização econômica ou política. Há alguns anos, ouvi do ex-ministro Delfim Netto que "na política a pior forma de convencimento é a lógica". Hoje, o espaço está todo tomado pela emoção; aposentou-se a lógica da Nova República, proclamada por Tancredo Neves, em 1985.

Quem vive deste ofício de analisar, entender e — tentar — explicar processos políticos sente na carne: torna-se alvo dos dois lados. Mancheta-se rapidamente qualquer raciocínio mais ou menos sofisticado numa bandeira contra OU a favor o que quer que seja — jamais contra E a favor, como são as coisas do mundo — oferecida à canibalização dos sentimentos mais primitivos do radicalismo em moda.

O raciocínio torna-se meramente emocional, binário: "se não é meu espelho, é meu contrário". Morre a dialética. Apanhar dos dois lados faz parte; às vezes, pode até mesmo indicar independência; o caminho e a postura corretos. É do jogo. Mas, "isto é apenas uma canção. A vida realmente é diferente, quer dizer, ao vivo é muito pior".

O maior problema (e perigo), no entanto, não reside no campo da análise, mas da convivência política e social. A polarização e a intolerância levam ao aguçamento dos conflitos; na incapacidade de convivência, na fragmentação, chega-se à anomia. Mesmo que queiram, os candidatos podem não mais convergir para o centro. Conflitos sem mediação nunca acabam bem; a história demonstra isto: na Venezuela, aqui, no Oriente Médio, onde quer que seja.

Então, mais do que apontar para personagens de presença duvidosa na eleição de daqui a 18 meses, a pesquisa DataFolha revela o que mais parece ser a realidade do presente: a agonia da moderação. Daqui para 2018, o bom senso pode ser sequestrado. O ideal é protege-lo; na pior das hipóteses, regatá-lo com vida.

("Mas se depois de cantar você ainda quiser me atirar; mate-me logo, à tarde, às três, que à noite tenho um compromisso e não posso faltar…" Em homenagem a Antônio Carlos Gomes Belchior Fontenele Fernandes)

Carlos Melo, cientista político. Professor do Insper.

Sobre o Autor

Carlos Melo é paulistano, filho de açorianos e nasceu em 1965. Cientista político, com graduação, mestrado e doutorado na PUC-SP. Professor de tempo integral do Insper desde 1999; colecionou experiências, conquistou prêmios de ensino. Analista político, com colaboração em vários meios de comunicação; palestrante e consultor. Autor de "Collor, o ator e suas circunstâncias".

Sobre o Blog

Juízos de valor não importam, o leitor que construa os seus. O que se busca é a compreensão, sem certezas, nem verdades; antes, a reflexão. É o canto de um homem sem medo de exalar dúvidas. "Nem o riso, nem a lágrima; apenas o entendimento", diz Spinoza; "eu quase de nada sei, mas desconfio de muita coisa", arremata Guimarães Rosa.