Topo
Blog do Carlos Melo

Blog do Carlos Melo

Categorias

Histórico

Recuos do governo refletem erros estratégicos

Carlos Melo

2007-04-20T17:09:27

07/04/2017 09h27

Foto: Marlene Bergamo/Folhapress

Vindo Michel Temer do ventre da baleia do sistema político, acreditou-se na motivação intrínseca e em sua pinta de profeta de reformas estruturais e ajustes fiscais. Despertar expectativas, as mais positivas, é mesmo truque antigo da arte da política; faz parte da malícia das disputas, das confabulações. É preciso convencer que é possível realizar mais, melhor e com menos custo tudo o que o outro soa incapaz de cumprir.

No tempo em que Dilma agonizava, Temer se pôs a expressar esta possibilidade: ele e seu partido arquitetaram uma tal "ponte para o futuro", que o tempo transformou em pinguela: apresentavam um rol de medidas necessárias, sim, mas facilmente vetadas se sujeitadas ficassem ao processo eleitoral. Factíveis quanto mais distantes do debate popular, apostava-se, seriam viabilizadas pela suposta habilidade e trânsito no ambiente do Congresso.

E de fato, o renovado controle da maioria parlamentar, talvez, garantisse isto. Todavia, a sagacidade e a esperteza também imaginaram que por si próprias, quem sabe, pudessem mesmo evitar reformas. Um bom choque de expectativas poderia bastar para gerar nova dinâmica econômica, recriar empregos e religar sentimentos de satisfação e, assim, desativar a bomba relógio da crise política, simbolizada pela Operação Lava Jato.

Esses processos – os tais choques de expectativas — parecem complicados, mas, são mecanismos bem simples: de algum modo, o governante emana segurança, altera a conduta de agentes econômicos que, confiantes, passam a investir.  Estanca-se a crise, criando empregos; aumentam o consumo e a arrecadação, supera-se dificuldades fiscais; surgem novos incentivos, que geram mais investimentos, empregos… O ciclo virtuoso, mesmo antes da aprovação das reformas prometidas.

Esta foi esta a aposta do PMDB, por ocasião do impeachment de Dilma: um restart necessário e urgente no conjunto de crenças. A rapaziada do mercado financeiro queria mesmo acreditar nessas providenciais declarações de amor à reforma, que profissionais fazem no forjado calor da emoção. Compraram riscos, mas gente mais madura da economia real sabe que paixão de verão logo passa.

Foi esta a proposta de Michel Temer e dos políticos: acelerar a retomada do desenvolvimento; a satisfação econômica retiraria Sérgio Moro e os promotores de Curitiba do centro do palco do teatro político. A momentânea sensação de bem-estar empurraria a crise para frente e talvez nem fosse preciso encarar a impopularidade das reformas, assim tão já. Só não se combinou com a crise.

O choque de expectativas ficou aquém do esperado: o espírito animal do empresário – que não é de asno — continuou reticente; agentes econômicos, internos e externos, ressabiados, preferem aguardar sinais mais concretos de mudança. O governo procrastinou o envio das reformas por, no fundo, saber que o Congresso é sempre pouco disposto a deixar-se levar em véspera de ano eleitoral.

A equipe econômica confiou, porém, na dissimulada determinação dos operadores políticos: vocalizou o mercado e dobrou apostas, indicando ajustes mais duros, radicais, profundos e imediatos. Pensamento binário, tudo ou nada, racionalidade econômica que ignora a lógica do Parlamento: antes do país, salvar o pescoço próprio.

Expectativas ainda maiores, sem concessões, sem mediações e de certo modo irreais foram criadas, sem admitir que reformas, assim estruturais, são, afinal, processos incrementais de longo prazo. Agora, qualquer recuo, sinaliza capitulação. Erros estratégicos: antes ou agora?

A lentidão do desenvolvimento acelerou a crise política: delações foram se empilhando, vazando, disseminando o medo. Popularidade presidencial no chão dissipa névoas da ilusão de continuidade do poder. A base esfarela; preservar o foro, na renovação de mandatos, torna-se o centro estratégico da ação parlamentar. Ao mesmo tempo, Estados e municípios ameaçam implodir, com a crise de segurança que explode. E, ao reverso, pode ser o oposto dos choques de expectativas que se queria produzir.

Carlos Melo, cientista político. Professor do Insper.

Sobre o Autor

Carlos Melo é paulistano, filho de açorianos e nasceu em 1965. Cientista político, com graduação, mestrado e doutorado na PUC-SP. Professor de tempo integral do Insper desde 1999; colecionou experiências, conquistou prêmios de ensino. Analista político, com colaboração em vários meios de comunicação; palestrante e consultor. Autor de "Collor, o ator e suas circunstâncias".

Sobre o Blog

Juízos de valor não importam, o leitor que construa os seus. O que se busca é a compreensão, sem certezas, nem verdades; antes, a reflexão. É o canto de um homem sem medo de exalar dúvidas. "Nem o riso, nem a lágrima; apenas o entendimento", diz Spinoza; "eu quase de nada sei, mas desconfio de muita coisa", arremata Guimarães Rosa.