Blog do Carlos Melo

Difícil situação de Geraldo Alckmin

Carlos Melo

Guy Williams e Henry Calvin. Zorro e Sgt. Garcia (Disney). Série exibida no Brasil nos anos 1970.

Ninguém saberá dizer o que será o futuro; menos ainda, o resultado da eleição deste ano. Neste momento, o resultado ainda é imprevisível. E não adiantará recorrer às pesquisas, números e curvas do passado, pois ninguém de bom senso pode negar que o país vive um presente particular, anômalo em muitos sentidos. O drama dos últimos anos nos transformou e alguns se fizeram místicos. Mas, ainda assim, não é o caso de acreditar em bolas de cristal.

Logo, neste ponto do caminho, não se sabe dizer que destino terá a candidatura de Geraldo Alckmin. Há pouco mais de um ano, o ex-governador era tido como favorito — dada a ruína do PT e as desconfianças em relação a seus adversários. Hoje, seu nome não ata e nem desata, está em alta apenas na bolsa das dúvidas eleitorais, sendo um ativo em rápida depreciação para os agentes econômicos.

Há motivos. Na maior parte do Brasil, a indiferença ao seu nome é conhecida. Mas, mesmo em São Paulo, o estado que governou por 4 mandatos e onde acredita-se estar seu maior potencial, o tucano patina nos números das pesquisas. As expectativas em relação aos números das pesquisas, para esta época do ano, eram muito superiores. Mas, na última sondagem patrocinada pela Confederação Nacional dos Transportes, Alckmin ao invés de subir, caiu.

Para quem já teve a visibilidade que possuiu e deteve os recursos de que dispôs, 5,3% de intenções de voto é de lascar.

O que estaria ocorrendo com o tucano? Difícil responder. Mas, é plausível que a toxidade emanada por Michel Temer e Aécio Neves tenha-lhe contaminado. Pesquisas qualitativas mais aprofundadas confirmarão (ou não) isto. No entanto, parece claro que o ex-governador não se destaca da geleia geral em que se transformou o sistema político nacional. E o seu PSDB não ficou fora disto.

Alckmin precisa desesperadamente mostrar-se viável para partidos e políticos de seu campo ideológico, fazer-se crer como uma consistente hipótese de poder. Com isso, receberia apoios e adesões e, crescendo, angariaria mais apoio. Um círculo virtuoso. Mas, ocorre exatamente o contrário: quanto mais patina em números rasteiros, menos crível se torna; não recebe adesões, sofre defecções. E continua em baixa. O cachorro come o próprio rabo.

Ao mesmo tempo torna-se vulnerável a ataques especulativos. Nomes como Marina Silva e Álvaro Dias começam a frequentar o imaginário do tradicional eleitorado tucano e do mercado financeiro. E, se não bastasse, João Doria está aí, atento e esperto para sobras e restos. Docemente, Doria se doaria ao sacrifício de substituir o ex-padrinho político. Descuidadamente, dá sinais de prontidão.

A questão é para onde Geraldo Alckmin teria ou deveria apontar para que venha a crescer? É pouco provável que consiga sobras do eleitorado de Lula. Na sondagem sem o petista, Alckmin tampouco se destaca e quando algo ganha é pouco. Tem como barreira o eleitor do Nordeste e ou de esquerda. Contudo, também à direita tem como obstáculo Jair Bolsonaro que ali está rijo, duro e forte. O tucano está emparedado.

Provavelmente, apostará em dois discursos: dirá que, em São Paulo, ''acabou'' com a violência ou pelo menos a reduziu significativamente, em contraposição ao Brasil. Precisaremos esperar para constatar se o discurso pega, até porque não se pode esquecer que aquela ''facção que age nos presídios'', que de tão temível — como Voldemor, de Harry Potter— não se diz o nome, nasceu e se expandiu em terras paulistas. E hoje age fora dos presídios, ganhou o país e a América do Sul.

O outro ''trunfo'' — e seus assessores já o alardeiam — será a promessa de zerar o déficit fiscal ainda na primeira metade do mandato. Ótimo. Despertaria alegria e delírios no mercado financeiro. Mas, é possível? E o quanto isto mobilizaria o cidadão comum que quer, precisa ou se acostumou a políticas públicas e a proteção do Estado? Aliás, como reagiriam prefeitos — se levarem a sério a promessa do tucano?

O futuro é incerto e no Brasil tudo pode ocorrer. Aqui, o Sargento Garcia é capaz de prender o Zorro; e, como se diz, até o passado é incerto. O horizonte vai até aonde o nevoeiro permite. E a neblina é espessa. Neste curto campo de visão, a situação de Geraldo Alckmin está para o sargento que precisa surpreender a todosTransformar-se no Zorro, o que até aqui não deu sinais. Pouco provável, mas pode ser e pode não ser. Cedo para saber. A bola de cristal não captura essas imagens.

Carlos Melo, cientista político. Professor do Insper.