Blog do Carlos Melo

Constrangido ficou o país

Carlos Melo

José Cruz/Agência Brasil

Em determinado momento do julgamento do TSE, Admar Gonzaga interrompeu Herman Benjamin afirmando que o relator ''constrangia seus colegas''. Contrariado, quase de dedo em riste, pediu respeito; quis retomar o controle que, sentia, seu grupo perderia — parece ter sangue menos frio que seus pares. No entanto, sua excelência, ministro indicado por Michel Temer, erra por imprecisão: constrangidos não estavam seus colegas; constrangida ficou a nação.

Só, diante da TV, o telespectador enrubescia; sentia ânsia de levantar-se, ir ao banheiro; disfarçar com o celular, esperar a cena passar. Sentimento típico despertado por novelas mexicanas, onde a canastrice do vilão passa do ponto. Reputação, uma vez perdida, perdida está para sempre: será essa a Justiça, será este o país real? Onde tudo se perdeu?

No tribunal, constrangido ninguém ficou pelo que ouviu, ficou pelo que fez. A política pune. Ao longo do julgamento, intervenções e, sobretudo, os votos pareciam malabarismos verbais — jurídicos, não sei. Tinham por objetivo desqualificar a realidade; ocultar o que até os índios não contatados da Amazônia já sabiam. Deu-se nó na lógica. Conforme evoluía o enredo — será que evoluía? —, o teatro perdia o sentido.

O resultado trouxe muitos perdedores e talvez apenas um vencedor, justamente o juiz derrotado na peleja, o relator. Também aqueles que acompanharam Herman Benjamin saíram-se bem: Luiz Fux e Rosa Weber expressaram a empatia que normalmente lhes falta no STF; apiedaram-se do constrangimento do telespectador-cidadão? O teor de seus votos irradiava ao menos alguma sinceridade de propósitos e já era o que bastava.

Que tipo de batatas colherá Michel Temer desta vitória, que tipo de satisfação sentirá Gilmar Mendes? O presidente não conquista a paz; o juiz perde a fleugma. O dia seguinte destas lutas promete novas batalhas; o anel que o presidente oferecia ao país era vidro e se quebrou; encanto que não se refaz. São tantos cacos cortantes, agora, que não colam; que não há mais conserto.

Já no início da semana, tucanos terão que encarar a História: aderem definitivamente à companhia de teatro ou rejeitam o roteiro que lhes reserva o papel de anão moral? Agarram-se ao receio ou lançam-se à política em busca da estima perdida com Aécio Neves? Tucanos são especialistas em perder o timing (ouvi esta de Sérgio Abranches).

Serão testados: de que vale jogar Dilma no precipício e terminar agarrado ao galho frágil da árvore do PMDB? Mário Covas faz falta; seu faro para equívocos do tipo impediu que o PSDB aderisse a Fernando Collor. É provável que seu instinto pressentisse o mesmo odor exalando da porta aberta por Michel Temer. Já era. Os tucanos ficarão com Herman Benjamin ou com Admar Gonzaga; a quem, afinal, constrangerão?

Este será apenas o primeiro desafio de Michel Temer, virão outros. Os cacos do anel que era vidro e se quebrou tendem a se fragmentar mais e mais: o presidente não foi capaz de responder às 82 perguntas da Polícia Federal; o que fará com novos e novos questionamentos que devem surgir? A PF e o MP parecem ter respostas para vários deles; espreitam o momento certo para fazer Temer falar, na Justiça.

A crise continua e seus constrangimentos não cessarão tão já, nem tão cedo; talvez muito tarde. No início da noite desta sexta, o país entrou por uma nova dinâmica; aquela onde diminuem — embora não estejam liquidadas — as saídas institucionais. Depois do Joesley Day (esta ouvi de Alexandre Schwartsman), o TSE seria o primeiro passo para o início da concertação, o mais curto. Para superar o constrangimento, o país precisará procurar outros caminhos.

Carlos Melo, cientista político. Professor do Insper.