Blog do Carlos Melo

Michel Temer faz o jogo do contente

Carlos Melo

Foto: Marcos Corrêa/PR

A obra é famosa, embora secundária; Poliana, de Eleanor Porter, retrata uma menina de bom coração, que enxerga o mundo com lentes cor-de-rosa; em tudo ressalta o lado positivo, aprendera com o pai a jogar o “jogo do contente”.  Ao longo de mais de um século, o título tornou-se adjetivo, expressa o comportamento dos muito ingênuos ou dos muito cínicos — os que se fazem passar por Poliana.

Na quinta-feira, 1º. de junho, Michel Temer resolveu jogar o “jogo do contente”, que, provavelmente, aprendeu com seu marqueteiro de ocasião ou com os estrategistas do desespero que o cerca. Em seu Twitter, o presidente declarou que “acabou a recessão! Isso”, diz ele, “é resultado das medidas que estamos tomando. O Brasil voltou a crescer. E com reformas vai crescer ainda mais”. Viva! O país deve festejar ou ter vergonha alheia de uma manifestação patética?

Embora haja fluidos positivos na economia, o presidente aposta, é certo, num jogo de sinais; precisa de sombras e qualquer biombo lhe serve. Em 133 caracteres, pretende fazer supor que redefiniu a tempestade, transformando-a em bons ventos. É o que lhe resta. Mas, não é bem assim: nem o IBGE — preocupado com a reputação que tem — é capaz de referendar a opinião do chefe. Só falta mesmo agora que Temer lance mão do tal “espetáculo do crescimento”.

O presidente esboça o “deixa o homem trabalhar”, usado por Lula, após a crise do Mensalão; o petista parece ter sido mais original. O que não explica — como também Lula não o fez — é, porém, quem o importuna; quem o impede de desarrolhar todo seu potencial. Certamente, a oposição não é — atarantada que está nas mesmas teias que o governo, a aposição não há — para além do tumulto que tenta despertar.

Tampouco, há um complô de mídia: os jornais, na verdade, se dividem, mas nenhum deles pode ser classificado como instrumento de oposição: retrata-se o que sai tingido na foto cotidiana do governo Temer.  Afirmar, por sua vez, que seja o Ministério Público o inimigo que não deixa Temer trabalhar também parece impreciso: promotores reagem aos indícios que recolhem; o fizeram com Dilma e a turma que hoje está no governo afirmava que todas as decisões da Lava Jato eram, ao final, referendadas pela Justiça. O que mudou?

É claro que Michel Temer não é ingênuo; faz o tipo Forrest Gump, mas não é exatamente assim. Menos ainda está para uma inglesinha romântica, de sainha plissada e lencinho cor-de-rosa; na política brasileira, não há lugar para almas assim – talvez, em nenhum lugar do mundo. Menos ainda no PMDB, onde a ingenuidade foi reprovada no berçário. Temer sabe que qualquer melhora do cenário econômico lhe servirá de álibi, de muleta, e é nisso em que se escora. Não se trata de ilusão.

Os inimigos do presidente são, antes, os fatos. Os fatos e mais ninguém. Todo o resto — oposição, aliados, mídia, Ministério Público e Justiça — são pacientes desses fatos, passageiros de sua agonia. Fatos que fazem de Michel Temer esse refém perdido, travestido de Poliana; jogando o “jogo do contente”, buscando parceiros entre os distraídos, os desinformados e os de intenção duvidosa.

Carlos Melo, cientista político. Professor do Insper.